Artigo escrito por Carla Rodrigues, publicado originalmente na revista Cult.

Beatriz Preciado. Beatriz Preciado.

Um pênis de borracha, um vibrador, uma prótese, um suplemento. Um consolo, como se diz na linguagem popular. É a partir desse objeto que Beatriz Preciado começa aquilo que se tornou seu texto mais famoso e mais instigante, o Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual, tradução livre para o título de seu primeiro livro, lançado em 2000 na França, onde ela vive e trabalha; na Espanha, onde nasceu, em 1970; e nos EUA, onde se formou. O pênis de borracha é evocado como noção conceitual para cumprir função análoga à mais-valia no pensamento de Karl Marx. “Tomando partido da estratégia de Marx, esta pesquisa sobre sexo toma como eixo temático a análise de algo que pode parecer marginal: um objeto de plástico que acompanha a vida sexual de certas lésbicas e de certos gays queers, e…

Ver o post original 1.267 mais palavras

Anúncios